GAY BLOG BR by SCRUFF

Nesta quinta, 23 de abril, às 11h30 (horário de Brasília), a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA) estará representando o Brasil em uma conferência online com alguns países da América Latina e Caribe como Victor Madrigal – especialista independente da ONU em proteção contra a violência e a discriminação por motivos de orientação sexual e identidade de gênero.

A transmissão será em espanhol na seguinte fanpage:
facebook.com/raceandequality

ANTRA debate sobre a urgência de trans afro-LGBTI+ em tempos de coronavírus

Mais informações em: www.raceandequality.org/es/

Confira a última conferência sob o tema “Direitos Humanos no Brasil de Bolsonaro”:

ANTRA divulga carta cobrando solidariedade de artistas e influenciadores LGBTI+

A ANTRA divulga uma carta aberta aos artistas, produtores de arte e cultura, influenciadores LGBTI+ e aliados para que ajudem e compartilhem as iniciativas que garantem alimento e dignidade às pessoas trans, enfatizando que eles não precisam apenas de dinheiro, mas sim de atenção.

“A ANTRA pede para que aquelas pessoas que mantém suas carreiras apoiadas, incentivadas e consumidas em larga escala pela população LGBTI+, que se juntem a nossa luta para que juntos possamos vencer e transformar a realidade de milhares de travestis e mulheres Transexuais, assim como outras LGBI+, que neste exato momento não tem sequer o que comer”. 

“(…) Não estamos apenas falando de ajuda financeira, mas de demonstrar que elas não estão sozinhas e reconhecer que neste momento todas precisamos estar juntas.”

Em janeiro deste ano, a ANTRA divulgou os dados referente as mortes ocorridas contra travestis e transexuais no ano de 2019.

O levantamento da ANTRA aponta assassinato de 466 pessoas trans registradas entre os anos de 2017 a 2019, sendo 124 apenas em 2019. No ranking por estado em números absolutos, São Paulo fica em primeiro lugar com 51 mortes, e em 2º está a Bahia e o Ceará, com 40 casos. Rio de Janeiro aparece logo em seguida, com 37; Minas Gerais, com 34 e em 5º, Pernambuco, com 28.

No entanto, considerando a taxa de proporcionalidade, a estimativa é que o estado de Roraima seja o mais violento perante este grupo.

Mapa dos Assassinatos 2019 aponta que 59,2% das vítimas tinham entre 15 e 29 anos; 22,4% entre 30 e 29; 13,2% entre 40 e 49; 3,9% entre 50 e 59 anos; e 1,3% entre 60 e 69 anos.

O dossiê aponta que a morte de uma adolescente com 15 anos “ratifica o fato de que a juventude trans está diretamente exposta à violência que enfrenta no dia-a-dia”. 

Considerando todos os dados, a idade média das vítimas de assassinatos é de 29,7 anos. “Quanto mais jovem, mais exposta e propensa ao assassinato as pessoas trans estão”, afirma o relatório.

Sofri LGBTIfobia e agora? ANTRA e ABGLT lançam cartilha explicando como recorrer à Justiça

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.