GAY BLOG BR by SCRUFF

No último dia 11 de janeiro, foram publicadas nas redes sociais fotos de beijo entre casais gays PMs do Distrito Federal. A iniciativa causou polêmica e gerou comentários homofóbicos em grupos de colegas da corporação.

Um coronel da reserva da PMDF, sem o nome revelado, criticou o ocorrido, afirmando que as demonstrações de afeto são uma “avacalhação” da corporação e que lamenta o beijo gay: “aquela postura poderia ter sido evitada”.

“Eles não se criam. Mas a nossa corporação já foi irreversivelmente maculada. Nós hoje somos motivo de chacota no Brasil inteiro (…). Muito obrigado, senhores, os senhores conseguiram destruir a reputação da nossa Polícia Militar. Não tenho nada a ver com a sexualidade deles. A porção terminal do intestino é deles e eles fazem o que quiserem. Uma coisa é que se faz quando se está fardado (…). Aprendemos sempre que se deve preservar a honra e o pundonor do policial militar. Então é isso que foi quebrado alí. Aquela avacalhação, aquela frescura ali poderia ter sido evitada. É lamentável” – disse.

O beijo gay entre os dois membros da PM causou polêmica e Ministério Público investigará homofobia (Foto: Reprodução)
O beijo gay entre os dois membros da PM causou polêmica e Ministério Público investigará crime de homofobia (Foto: Reprodução)

Nesse contexto, a Comissão de Direitos humanos da Câmara Legislativa do Distrito Federal pediu à PM que investigue os comentários. Já o Ministério Público disse que “será instaurado procedimento para apuração da prática homofóbica e adoção das medidas cabíveis”.

Em conversa com o G1, o tenente-coronel confirmou o envio das mensagens de voz sobre o beijo gay, mas não quis dar mais detalhes sobre o assunto. Já a Polícia Militar do Distrito Federal proibiu qualquer um dos envolvidos em conceder entrevistas sobre o caso para “evitar maiores exposições e controvérsias”, mas diz não coadunar com preconceitos.

“A Polícia Militar do Distrito Federal informa que não coaduna ou apregoa quaisquer tipos de preconceito. Os áudios atribuídos a um coronel da Reserva Remunerada manifestam uma opinião pessoal, e serão analisados pela Corporação. A PMDF informa ainda que a ética e o pundonor policial militar são preceitos basilares da Corporação, aos quais os policiais militares estão sujeitos, independentemente de cor, sexo, etnia, religião ou opção  (sic) sexual.

O posicionamento oficial da PMDF órbita em torno do respeito às crenças, à ética e ao profissionalismo, pilares que todos os policiais militares devem observar no exercício de seus deveres.

A Polícia Militar do Distrito Federal reforça que não coaduna com quaisquer tipos de preconceito. As críticas divulgadas em redes sociais são opiniões pessoais e não condizem com o ponto de vista do comando da Corporação.

No entanto, com o objetivo de evitar maiores exposições e controvérsias, nenhum integrante da Corporação está autorizado a conceder entrevista sobre o assunto”, diz.

CRIME DE HOMOFOBIA

Fabio Felix, ativista dos direitos LGBTs, diz que "medidas são necessárias" (Foto: Reprodução)
Fabio Felix, ativista dos direitos LGBTs, diz que “medidas são necessárias” (Foto: Reprodução)

A Comissão de Direitos humanos da CLDF entrou, na última segunda-feira dia 13 de janeiro, com um recurso para investigar os comentários. Segundo o deputado distrital Fábio Félix, do PSOL, é necessário adotar medidas para proteger os direitos fundamentais dos policiais.

“A transcrição do áudio pode configurar o crime de homofobia, a princípio. Isso porque ela revela desprezo aos policiais homossexuais pela simples circunstância de serem homossexuais”, conta.

Já o Ministério Público enviou uma nota repudiando tal comportamento:

“A homotransfobia representa uma forma contemporânea de racismo. Portanto, apurada a autoria de condutas que importam em atos de segregação que inferiorizam membros integrantes do grupo LGBT, o autor pode ser processado nos diversos tipos penais definidos na lei de racismo e no Código Penal.

O Ministério Público reputa inaceitável qualquer tratamento discriminatório, atuando de forma preventiva e repressiva nos atos de preconceito, reafirmando a incompatibilidade das práticas homotransfóbicas com o ordenamento constitucional brasileiro”, diz.

“NÃO SE CALEM” – O POSICIONAMENTO DOS NAMORADOS

Print do Instagram do policial militar (Foto: Instagram/Reprodução)
Print do Instagram do policial militar (Foto: Instagram/Reprodução)

O soldado que está impedido pela PM de se pronunciar sobre o assunto publicou no Facebook no último dia 14 de janeiro para que o público “não se cale” diante do ocorrido. Como os policiais não podem se manifestar, quem veio a imprensa falar sobre o assunto foram os namorados dos PMs.

O cabeleireiro Diogo Geovane, de 26 anos, disse ao G1 que seu namorado está “abalado com as críticas”, mas que respeita a decisão da PMDF.

“Ao analisar a proporção disso tudo, ele queria muito falar, dar voz ao movimento, mas a PMDF o proibiu de falar sobre. Então ele fica em silêncio, muito agoniado, mas respeita a corporação e respeitou a decisão”. 

Geovane também disse que o argumento de que não poderia beijar o companheiro por “conta da farda que o militar vestia na cerimônia” é improcedente.

“Muita gente diz que não poderíamos nem ter dado o selinho, mas é um ato comum. Por exemplo, o casamento dos membros da policia é uma cerimônia em que eles ficam fardados, e existe o momento de beijo. Então é uma justificativa muito falha dizer que não pode.”

Já Aline Vasconcelos, de 37 anos, disse que a namorada ficou muito decepcionada com a repercussão negativa do caso.
“Estávamos todos comemorando a formação dos soldados, nos divertindo. Ambiente que tinha casais gays, casais heterossexuais. Demonstrar amor e carinho pelo seu companheiro não é crime.”

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"