GAY BLOG BR by SCRUFF

Este artigo também está disponível em: Español

O delegado de Polícia Civil de Feijó (AC), Railson Ferreira, foi vítima de homofobia na última quarta-feira (29), durante uma operação que investigava envolvidos com o tráfico de drogas. Na ocasião, a cunhada de um dos presos chamou o delegado de “gay safado” e ainda disse que ele “deveria virar homem”. A mulher foi presa em flagrante e levada para audiência de custódia na quinta-feira (30).

A equipe do delegado cumpria mandados judiciais contra envolvidos com uma carga de 25kg de maconha, apreendida em janeiro deste ano na Rodoviária Internacional de Rio Branco. Durante a operação, dois homens de 20 e 25 anos foram presos. Fomos recebidos pela cunhada do rapaz com palavrões, a família é bem problemática”, relembrou Railson em entrevista ao g1.

Railson Ferreira (Foto: Reprodução/ Instagram)

Ainda na casa de um dos homens presos, o delegado deu ordem de prisão contra a esposa do suspeito de tráfico de drogas por desacato. Revoltada com a situação, a cunhada do do homem voltou a xingar os policiais e urinou no quintal da casa na frente das equipes.

Falei que ela estava presa, mas não algemei, não gosto de algemar mulher. Elas continuaram a falar palavrões, a gente gravou tudo. Quando foi para ir embora, falei que a irmã do suspeito estava presa, pedi para trocar de roupa. Desisti de levar a cunhada dele presa para que ela ficasse com as crianças. A ideia era só levar a mulher dele, ouvir por desacato e liberar“, contou Ferreira.

Ao g1, o delegado afirmou que estava relevando todas as ofensas ditas pela cunhada do preso, mas que não poderia tolerar o crime de homofobia. “Falei para trancarem a porta e deixar elas fora. Ela falou: ‘tu deveria virar homem, seu gay safado’. Como a injúria racial é inafiançável, assim como racismo, não arbitrei fiança, mandei para audiência de custódia e a Justiça a deixou presa“, disse.

Ferreira é delegado de Polícia Civil há um ano e sete meses, mas o tempo total na corporação já chega a mais de oito ano. Casado há 10 anos com o contador William Barbosa Bezerra, ele disse que nunca sofreu homofobia no seu trabalhos e lamentou a prática do crime justamente no Mês do Orgulho LGBTQIA+.

Railson Ferreira (Foto: Reprodução/ Instagram)



Este artigo também está disponível em: Español

Junte-se à nossa comunidade

Mais de 20 milhões de homens gays e bissexuais no mundo inteiro usam o aplicativo SCRUFF para fazer amizades e marcar encontros. Saiba quais são melhores festas, festivais eventos e paradas LGBTQIA+ na aba "Explorar" do app. Seja um embaixador do SCRUFF Venture e ajude com dicas os visitantes da sua cidade. E sim, desfrute de mais de 30 recursos extras com o SCRUFF Pro. Faça download gratuito do SCRUFF aqui.

Jornalista gaúcho formado na Universidade Franciscana (UFN) e Especialista em Estudos de Gênero pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)