GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English Español

O ex-presidente Fernando Collor de Melo respondeu a um tweet de Eliseu Neto, assessor legislativo da liderança do Cidadania e colunista do GAY BLOG BR, sobre um suposto romance com o estilista Pierre Cardin na década de 70, época em que Collor aspirava ser modelo.

O rumor surgiu após um post no Facebook do roteirista Waldir Leite em 29 de dezembro de 2020, dia em que o estilista faleceu.

“PIERRE CARDIN TEVE UM CASO COM FERNANDO COLLOR – Quando Collor de Melo foi eleito presidente, Pierre Cardin, ao encontrar um amigo brasileiro em Paris, comentou: ‘já transei muito com seu novo presidente’. Tudo aconteceu em 1973, durante as filmagens de ‘Joana Francesa’, em Alagoas. Nessa época Cardin era casado com a grande estrela do cinema francês Jeanne Moreau. Encantada com o sucesso do Cinema Novo, a atriz aceitou o convite do cineasta Cacá Diegues para rodar um filme no Brasil Mais precisamente em Alagoas, terra natal do diretor. E o famoso estilista francês decidiu produzir o filme do Cacá, a história de uma cafetina francesa que recebe como herança de um de seus clientes um engenho de cana no interior do estado. A chegada em Alagoas do grande Pierre Cardin e da divina Jeanne Moreau provocou um verdadeiro frisson na sociedade local. Todos ficaram deslumbradíssimos com a presença daqueles celebridades internacionais no estado. Na época Fernando Collor era um jovem bonitão de apenas 23 anos, membro da rica e tradicional família alagoana. Deslumbrado com a presença das estrelas do jet set internacional, o jovem Collor quis participar da produção do filme. E foi contratado como assistente pessoal do produtor. Ao ver aquele rapaz bonito, disposto a fazer qualquer coisa pelo cinema brasileiro, Pierre Cardin o escalou para ser seu assistente pessoal. Uma espécie de faz tudo do produtor. O jovem Collor ficou deslumbradíssimo com essa oportunidade. Afinal, naquela época, Cardin já era um mito da moda. Uma grife internacional. Uma das atribuições do jovem Collor era atuar como motorista do Cardin. Era ele quem levava Cardin para conhecer os canaviais de Alagoas que iriam servir de locações para as filmagens. Assim, enquanto Jeanne Moreau filmava cenas e mais cenas com Cacá Diegues, o estilista Cardin se esbaldava em aventuras amorosas com o jovem Fernando Collor nos canaviais alagoanos. E assim, nos braços daquele nativo bonitão, era o Cardin quem se sentia a própria ‘Joana Francesa’. Cinema é a maior diversão”, escreveu Leite.

Citado nas replies, Collor se posicionou: “Amigo, infelizmente para você, isso não passa de uma fake news. Não sou homossexual e nunca fui, mas com certeza o Pierre Cardin teria sido um ótimo partido. Um forte abraço”.

Fernando Collor nega romance com Pierre Cardin
Reprodução

CARDIN EM ALAGOAS

A convite do diretor de cinema Cacá Diegues, Pierre Cardin veio ao Brasil para participar da filmagem de ‘Joana, a francesa’, longa que estreou em 1973. Durante as gravações em Maceió, Cardin conheceu o então Collor, estudante e aspirante a modelo. Segundo a GQ Brasil, Pierre ficou hospedado na casa de Collor e amou o Brasil: “Quando ele era estudante, queria ser modelo, gravamos em Maceió. Fiquei na casa dele e depois o reencontrei no Japão e ele era presidente do Brasil”, contou o estilista em entrevista à Rede Globo em 2011. “De manequim a Presidente do Brasil. É extraordinário!”, finalizou Pierre.

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".