Anselmo Ferreira de Melo da Costa, dirigente do Templo Planeta do Senhor, pleiteava uma indenização 1 bilhão de reais da Netflix e do Porta dos Fundos por conta do especial de Natal 2019 intitulado de “A Primeira Tentação de Cristo”, que trazia Gregorio Duvivier interpretando um Jesus gay. No processo, de número 1007913-12.2020.8.26.0100, Anselmo dizia que se sentiu desrespeitado na sua fé cristã pelo personagem de Duvivier.

Antes mesmo que a Netflix e o Porta dos Fundos terem sido notificados oficialmente do processo, o Templo desistiu da ação porque a juíza do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Patrícia Conceição, não deu o direito da Justiça gratuita. Como Anselmo havia pedido o valor de 1 bilhão, a conta dos custas do processo ficou cara e a igreja ficou com um prejuízo de 82 mil reais, segundo matéria da Veja nesta segunda-feira, 27.

Se a Netflix e o Porta dos Fundos tivessem sido notificados, o Templo ainda teria que pagar as custas e os honorários dos advogados das empresas.

No último dia 14, foi publicada a decisão: “Inicialmente, não há qualquer respaldo legal para o pedido de reconsideração formulado pela autora. Ainda que assim não o fosse, observo que a autora distribuiu a presente ação arbitrando valor da causa de 1 bilhão de reais e requerendo a concessão da gratuidade da justiça. Após o indeferimento do benefício, o que não foi objeto de recurso, a parte requereu a desistência do feito e a alteração do valor da causa, o que foi expressamente rejeitado pela sentença de fl. 54, por representar clara tentativa de alterar o valor das custas iniciais a que condenada. A parte recorreu da r. sentença, requerendo novamente a concessão do benefício, por via inadequada, contudo, sem apresentar os documentos que comprovam sua hipossuficiência e, intimada a recolher o valor do preparo, deixou transcorrer ‘in albis’ o prazo, tendo sido decretada a deserção do recurso, já com trânsito em julgado. Assim, mantido o indeferimento da gratuidade da justiça, é dever da parte recolher as custas inicias do processo, razão pela qual indefiro o pedido de reconsideração. 2. Aguarde-se o decurso do prazo para recolhimento das custas, sob pena de inscrição da dívida ativa. 3. Após, arquivem-se, observadas as cautelas legais. Intimem-se. São Paulo”.

INRITADO foi premiado no Poc Awards 2019

Outro vídeo com personagem de Jesus como gay, INRITADO, levou troféu do júri na categoria “Manda Vídeo” na premiação Poc Awards 2019. Assista neste link.

Poc Awards 2019
Troféu Porta dos Fundos

Google Notícias