GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: Español

Segundo Buzz Osborne, líder dos Melving, o Kurt Cobain, vocalista do Nirvana, ficou preso por um dia. Ambos eram amigos próximos e a história remonta a época de adolescência de ambos, e como já é de conhecimento geral, Cobain costumava pichar as paredes da sua cidade natal, Aberdeen. Cobain adorava escrever na parede “Deus é gay”, sendo uma frase que acabou entrando na música “Stay Away”.

“Viramos uma esquina junto de um banco e, de repente, há polícia por toda a parte. Corremos em diferentes direções, mas apanharam o Cobain. Ele tentou se esconder, mas acabou parando na cadeia” – contou.

Cobain ficou um dia na prisão. Quando houve a morte de Cobain, um jornalista ligou para Buzz Osborne, questionando o que achava de colocar um memorial a Cobain em Aberdeen.

“Eu disse que deviam pôr na cela onde o deixaram” – disse.

Com informações do BLITZ.

Na adolescência, Kurt Cobain foi preso por pichar "Deus é gay" em sua cidade-natal
Reprodução

Kurt Cobain chegou a se declarar gay apenas para irritar a ala machista do rock and roll

Kurt Cobain era ávido militante contra a homofobia e a favor dos direitos humanos. Cobain não só dizia “Deus é gay”, chegando a se declarar gay apenas para irritar os homofóbicos e a ala machista do rock and roll — e até mesmo sua mãe.

“Estou enojado com minha apatia e da minha geração, que deixa que continue e não enfrenta o racismo, o sexismo e a homofobia”, declarou.

Kurt Cobain chegou a se declarar gay apenas para irritar a ala machista do rock and roll

Kurt Cobain
Foto: gettyimages

Já um artigo do Reverb aponta que Kurt Cobain também lutava contra o sexismo, racismo e o machismo. Na coletânea “Incesticide”, o Nirvana colocou no libreto do disco os seguintes dizeres:

“Se qualquer um de vocês em qualquer sentido odeia homossexuais, pessoas de outras cores ou mulheres, faça-nos um favor: nos deixe em paz! Não venha aos nossos shows e não compre nossos discos”. A contundente afirmação iluminava um sentido profundo por trás do Nirvana que por vezes acaba eclipsado justamente pelo imenso sucesso que a banda alcançou: há quase 30 anos, solitária em um cenário musical dominado por homens, pelo machismo, o sexismo e a corrida comercial, o Nirvana era não só uma banda que sublinhava a importância do feminismo, como denunciava a masculinidade tóxica, a desigualdade de gênero, a homofobia e a violência masculina – acima até mesmo de seu próprio sucesso”.

O último disco inédito da banda, “In Utero”, também havia no libreto dizeres bem radicais contra qualquer tipo de discriminação:

“Se você é sexista, racista, homofóbico ou basicamente um idiota, não compre esse CD. Eu não me importo se você gosta de mim, eu odeio você.”

Em várias entrevistas, Cobain se posicionava a favor dos direitos LGBTQ+ e era bastante firme e incisivo em seus posicionamentos. O mesmo valia para outros segmentos, como mulheres e negros.

Além disso, várias músicas da banda também tinham uma mensagem social. “Rape Me” é um manifesto anti-estupro; “Very Ape” e “Floyd The Barber” atacam o machismo, só para citar alguns exemplos. Vale dizer que ele também era grande amigo da RuPaul.

This article is also available in: Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".