GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English Español

As pessoas trans da Casa Transformar, no bairro Grande Bom Jardim, em Fortaleza, estão recebendo aulas de jiu-jitsu gratuitamente, com o objetivo de trabalhar a proteção física das pessoas e também promover debates sobre o esporte. A oficina é ministrada pelo professor Milton Leite e mais quatro voluntários.

As aulas são divididas em dois momentos: em um primeiro, há os conceitos teóricos e as pessoas trans precisam refletir sobre o jiu-jitsu, para quando utilizar as técnicas e toda a discussão moral e ética relacionada ao esporte. Em um segundo, é a aula prática.

“Fazemos essa discussão para que a gente possa se aproximar mais. Dedicamos aos temas transversais, como preconceitos, nomenclaturas corretas, toda uma parte teórica sobre o mundo trans e o esporte. Depois, a gente passa para a prática. as aulas não são adaptadas, aplicamos tudo do esporte”, explica o professor Milton Leite, responsável por ministrar as aulas.

Professor de jiu-jitsu dá aulas gratuitamente para trans aprenderem a se defender
Arquivo pessoal

Além de ensinar aos transgêneros sobre defesa pessoal, Milton também diz que o ambiente está sendo uma aula para ele: “A cada treino existe uma quebra de paradigmas. É um contato físico muito intenso. Aos poucos, todo mundo vai vendo que o respeito vale para todos. Existem momentos muito legais nessa troca. Eu desafiei elas no jiu-jitsu e elas me desafiaram no bate-cabelo”, brinca.

Milton quer que o curso seja alongado e pretende que o esporte permaneça no abrigo mesmo depois da oficina. “A ideia é que ele seja bem alongado. Fico lá até que algum aluno da Casa esteja pronto para reproduzir o mesmo trabalho que eu levei para lá”, diz.

Já a ideia de levar o jiu-jitsu aos transgêneros veio quando Milton conheceu as ações da Casa Transformar: “Começamos a conversar por Instagram em março. Mas veio a pandemia e tivemos que parar a negociação. Voltamos agora em outubro depois de uma rodada de doações de equipamentos”, relembra – “Eu atuo há 20 anos em diversos projetos [solidários]. As pessoas me perguntam o motivo e eu respondo sempre que faço tudo o que posso para me aproximar de alguns grupos e tirar as pessoas da rua” – completa.

Com informações do G1

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

Mais de 20 milhões de homens gays e bissexuais no mundo inteiro usam o aplicativo SCRUFF para fazer amizades e marcar encontros. Saiba quais são melhores festas, festivais eventos e paradas LGBTQIA+ na aba "Explorar" do app. Seja um embaixador do SCRUFF Venture e ajude com dicas os visitantes da sua cidade. E sim, desfrute de mais de 30 recursos extras com o SCRUFF Pro. Faça download gratuito do SCRUFF aqui.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"

5 COMENTÁRIOS