GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English Español

O escritor inglês gay Chris Moore, autor de Gut Feelings e Fall Out, contou ao Pink News sobre a doença rara que o impede de experimentar sexo anal, ato que poderia provocar sua morte. Leia seu relato traduzido na íntegra.

Chris Moore/ Reprodução

***

Eu tinha cerca de 11 anos quando comecei a desenvolver sentimentos por meninos. Lembro-me de ir a jogos de futebol que odiava e de tentar não ficar olhando quando os jogadores tiravam as camisetas.

Havia um fascínio e desejo que eu não conseguia racionalizar. Alguns meses depois, eu estava sentado em um escritório, sendo informado de que tinha uma doença crônica.

Levei muito tempo para descobrir o que era e anos para descobrir o que significava para mim como um homem gay.

Eu vivo com Polipose Adenomatosa Familiar (ou FAP, em inglês). Pequenos caroços semelhantes a verrugas crescem no cólon e no revestimento do reto.

Quando eles fizeram a colonoscopia, eles me disseram que eu precisaria remover meu cólon e, aos 13 anos, eles o retiraram.

Eles começaram a remover o revestimento do meu reto quando eu tinha 17 anos e fiquei me perguntando o que isso significava para mim. Eu não estava “fora”. Passei muitos anos entre cirurgias tentando entender o que significava ser gay e aceitá-lo.

Lembro-me de falar com minha mãe e de ser encaminhado até a enfermeira que cuidava do estoma, que me disse que, se eu fosse gay, nunca seria capaz de chegar ao fundo do poço quando se tratasse de sexo anal. Se o fizesse, teria uma hemorragia e possivelmente morreria, pois isso desalojaria os pontos que prendem o intestino delgado ao que sobrou do reto.

Fiquei impressionado naquele escritório, sentado em uma cadeira de espaldar duro. Eu realmente não conseguia compreender o que isso significava. Eu nunca tinha dormido com um garoto antes, nem mesmo beijei um.

A escolha foi tirada de mim, então eu nunca saberei realmente quais seriam minhas preferências sexuais, mas há uma parte forte de mim que acredita que eu seria versátil.

Eu teria gostado de experimentar todos os aspectos do sexo e da sexualidade, mas minha doença apresenta complicações. Quando eu conversei com caras sobre aplicativos no passado, eles me perguntaram sobre minha posição e eu sempre fui sincero sobre isso, mas falar sobre por que eu só posso topar é um assunto que tenho me incomodado em discutir.

Reprodução

Alguns caras veem isso como um desafio, como uma oportunidade de me deixar no fundo do poço, o que eu acho assustador.

As cirurgias não ficaram sem cicatrizes e depois da minha segunda cirurgia, eu tinha uma cicatriz que se estendia do meu umbigo até abaixo da minha cintura. A ferida infeccionou e, quando sarou, formou uma fáscia (quando o tecido cicatricial cicatriza sobre a pele).

Não era fácil olhar no espelho, muito menos deitar ao lado de outro cara. Mesmo dormindo ao lado do meu namorado há um ano, eu não gostava quando ele me tocava e se ele chegasse perto da cicatriz, eu batia em sua mão.

Cochilamos juntos, mas acordei de manhã cedo, meio grogue. Minha boxer parecia pesada e quando puxei as cobertas, não pude acreditar. Eu tive um vazamento e estava em toda parte.

Não havia como limpá-lo, nenhuma maneira de torná-lo melhor. Demorei um pouco para acordá-lo e, quando o fiz, me senti um sintoma. Eu me sentia como uma doença que pesava nos olhos de alguém.

Limpei-me o melhor que pude. Eu não falei com ele – não pude falar com ele. Voltei para casa, rezando para que o taxista não comentasse sobre o cheiro.

Aprendi muito jovem que precisava ouvir meu corpo, falar sobre meus sentimentos.

Há momentos em que me sinto privado de experiências sexuais, mas lembro a mim mesmo que estou vivo e, por todas as limitações, sou digno.

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

Mais de 20 milhões de homens gays e bissexuais no mundo inteiro usam o aplicativo SCRUFF para fazer amizades e marcar encontros. Saiba quais são melhores festas, festivais eventos e paradas LGBTQIA+ na aba "Explorar" do app. Seja um embaixador do SCRUFF Venture e ajude com dicas os visitantes da sua cidade. E sim, desfrute de mais de 30 recursos extras com o SCRUFF Pro. Faça download gratuito do SCRUFF aqui.

Jornalista pela Universidade Federal de MS, foi repórter de economia e hoje, além de colaborar para o Gay Blog Br, é servidor público em Joinville (SC). Escreveu ''A Supremacia do Abandono'', livro disponível em amazon.com.br.