O minidocumentário “A Arte Queer do Fracasso” está disponível de online no Instagram e Youtube da Suplemento Pernambuco (@suplementope) e da Cepe Editora (@cepeeditora). Baseado no livro homônimo de Jack Halberstam, crítico e teórico queer americano, o vídeo foi pensado como uma forma de trazer as questões da obra para o cenário brasileiro.

View this post on Instagram

Já viu o video "A arte queer do fracasso"? Ele é inspirado no livro homônimo do crítico americano Jack Halberstam, que acaba de sair no Brasil pelo Selo Suplemento Pernambuco (Cepe Editora). O vídeo, que foi pensado como uma forma de trazer as questões da obra para o cenário brasileiro, tem autoria colaborativa. Todos e todas atrás e na frente das câmeras são responsáveis pelo que você assiste na tela. Foi realizado por uma equipe majoritariamente queer, também com pessoas trans. Você pode vê-lo completo no nosso IGTV. Equipe: @fabioseixophoto , @bem.medeiros , @marcoaureliorio , @betinapolaroid , @wally_felix , @ma.ma.horn , @efemeradrag , @jordhanlessapalestrante O livro "A arte queer do fracasso", de Jack Halberstam está à venda na loja da Cepe Editora. Compre o seu exemplar pelo link nos stories.

A post shared by Suplemento Pernambuco (@suplementope) on

“Neste sistema, eu prefiro não ser o corpo errado, prefiro ser o próprio erro”, diz a travesti Maria Lucas, a Ma.Ma. Horn (@ma.ma.horn) no curta-metragem “A Arte Queer do Fracasso”.

Com duração total de cinco minutos, o curta apresenta reflexões do dia a dia de três pessoas queer e trans brasileiras. A produção do curta ficou a cargo da equipe do canal Drag-Se (@dragsetv), que planeja em breve uma versão estendida do filme, explorando um pouco mais a vida da performer Ma.Ma. Horn, do dançarino de voguing Wally Felix e do Guarda Municipal Jordhan Lessa.

Quais as alternativas e rotas de fuga para uma sociedade fascinada por uma ideia heteronormativa e capitalista de sucesso? Bob Esponja, Freud, Toy Story, Sebald e outras referências levam a pensar que praticar o fracasso pode nos incitar à distração, ao desvio, a nos perdermos e ao reconhecimento de que a empatia com o vencedor sempre beneficia o dominador. Enfim, chega ao Brasil esse clássico dos estudos de gênero.
Livro distribuído pela Editora Cepe

A ARTE QUEER DO FRACASSO
Autor: Jack Halberstam

Quais as alternativas e rotas de fuga para uma sociedade fascinada por uma ideia heteronormativa e capitalista de sucesso? Em tempos da prática do coaching e quando notícias distópicas tomam as manchetes, qual a importância de um livro sobre o fracasso? E mais: um livro que parte da pergunta do que poderia surgir depois da esperança, depois da terra arrasada? É com atraso de quase uma década que chega ao Brasil esse trabalho fundamental para os estudos queer e também a obra-prima do teórico norte-americano Jack Halberstam. A arte queer do fracasso investiga alternativas e rotas de fuga numa sociedade fascinada por uma ideia heteronormativa de sucesso. Por uma ideia capitalista de sucesso. Os objetos de investigação de Halberstam para desconstruir essas prerrogativas são os mais diversos. Ele parte de animações como Bob Esponja, Toy Story e filmes de apelo popular, como Cara, cadê meu carro?, passando ainda por Sigmund Freud, Michel Foucault, W. G. Sebald e pelas imagens eróticas de Tom of Finland. Parece que nada escapa ao seu desejo de nos fazer enxergar a rigidez das normas do capitalismo ao redor. A edição da Cepe Editora tem tradução de Bhuvi Libanio.