Facebook Brasil começa a bloquear aleatoriamente conteúdo LGBT+ de sua plataforma

Não passou ao vivo na TV, mas o primeiro dia de 2019 foi marcado pela posse de Políticas anti-LGBT+ na bolha social de Zuckerberger

São Paulo optou por um réveillon sem barulho pirotécnico. Sobretudo ali na Vila Olímpia, onde fica a sede do Facebook Brasil. A atitude da Prefeitura, muito elogiada na Avenida Paulista, teve como objetivo poupar os animais de estimação de barulhos desagradáveis. A do Facebook Brasil também, só que um tanto mais preocupada em evitar os latidos dos animais que frequentam a plataforma online.

facebook mark lgbt
Facebook já foi mais tolerante. Foto: reprodução/O POVO Online

Não passou ao vivo na TV, mas o primeiro dia de 2019 foi marcado pela posse de Políticas anti-LGBT+ na bolha social de Zuckerberger; diretrizes que, inclusive, já vêm sendo ensaiadas há pelo menos um ano por ministros de suas filiais. Hoje, 01/01, recebemos uma notificação afirmando que um link postado em nossa fanpage estava sendo retirado por motivos de ~SPAM~. E sim, que estamos bloqueados por tempo indeterminado.

Um spam jamais seria feito sem objetivo de retorno qualquer, Zuckerberg!
Crlh, Zuckerberg! Tanta desculpa para inventar e você diz que foi SPAM! É verdade este bilete.
Foi com uma notificação assim que Maysa teve a ideia de cantar
Foi com uma notificação assim que Maysa teve a ideia de cantar “Meu Mundo Caiu”

Surprised, but not disappointed

A política de boa vizinhança na plataforma sequer foi cogitada no mês do Orgulho LGBT+. Não houve força nem para hastear a bandeira arco-íris virtual no avatar; quanto menos inserir a estimada reação “proud” no posts.

Obviamente, fingir tolerância não foi tão necessário em junho, já que em março haviam desabilitado a segmentação de anúncios por orientação sexual sem qualquer motivo plausível, prejudicando inclusive organizações que oferecem serviços para a comunidade LGBT+: como exemplo o Trevor Project, serviço de ajuda sem fins lucrativos com foco na prevenção de suicídios de jovens gays.

Aqui, da internet tupiniquim, o gay.blog.br teve a primeira sentença em abril. Um bloqueio de 30 dias que não permitia nem curtir a foto do crush. O motivo? A publicação desta imagem abaixo na fanpage:

Poha, Mark! Esta foto que é um repost do #ooocio.cafe?
Poha, Mark! Esta foto que é um repost do @ooocio.cafe?

Segundo o Facebook Brasil, essa caneca representa um ~discurso de ódio~:

Discurso de ódio só que ao contrário
Discurso de ódio só que ao contrário

Tentamos até contestar com o suporte técnico, mas o último contato foi este:

Um suporte preocupadíssimo com a situação

A tréplica deste e-mail veio via contato telefônico de um número não identificado, de um funcionário que parecia ter dito internamente que sabia falar pajubá fluentemente para explicar que a remoção da foto não tinha que ver com diretrizes anti-LGBT+ da empresa. “Até porque eu sou gay” – disse a POC, sem nunca ter sido questionado por nós sobre o que ele curtia na cama.

Vida que segue, já que o Facebook tem até alguns funcionários que são gays também. Ou  pelo menos tinha em 2018.

2 COMENTÁRIOS

Comente