O cantor Sam Smith reapareceu na mídia no último dia 26 de agosto com um novo amor, o designer de produtos François Rocci. Um Paparazzi registrou o momento de ambos em Londres, e as informações vieram do Daily Mail.

- CURTA A PÁGINA DO FACEBOOK -

Essa é a primeira vez que Sam Smith é visto com alguém desde o término com Brandon Flynn, ator da série “13 Reasons Why”, após um relacionamento de nove meses. Segundo uma entrevista do cantor ao Sunday Times, superar este término foi muito difícil.

“Eu ainda estou tentando descobrir o que eu tirei desse relacionamento e o que significou para mim. Ainda é muito recente. Todos os meus relacionamentos terminaram de uma maneira agradável, nunca desagradável” – disse após o último termino, comentando também acreditar que “ver relacionamentos gays (em público) é importante e representativo”.

Sam Smith é o nome artístico de Samuel Frederick Smith, um cantor e compositor britânico que já venceu quatro Grammy Awards, um Globo de Ouro, um Oscar e três BRIT Awards. O reconhecimento em sua carreira veio em 2012 quando gravou os vocais da música Latch. No ano seguinte, colaborou com Naughty Boy na faixa La La La.

Ele diz que suas principais influencias musicais são Amy Winehouse, Lady Gaga e o cantor George Michael. Antes do seu primeiro álbum, Sam estava em uma paixão não correspondida e ele se inspirou no seu caso para escrever seu álbum, e boa parte dos seus trabalhos posteriores estão relacionados a sua vida amorosa e pessoal. A música Like I Can, por exemplo, é uma referência ao seu breve relacionamento com o ator e modelo Jonathan Zeizel.

Até o momento ele só trabalhou em uma única turnê para divulgar o álbum In the Lonely Hour, se iniciando no dia 9 de janeiro de 2015 e finalizando no final daquele ano. A turnê rendeu 7,9 milhões de dólares com oitenta e um shows.

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".