This article is also available in: Español

GAY BLOG BR by SCRUFF

Fundamos um projeto chamado “Bancada do Livro” contra o absurdo do Bispo Crivella tentar censurar beijos gays na Bienal do Livro. Livros de sexo eram vendidos livremente (com razão, era uma bienal com faixa etária), mas aos gays cabia a ideia de um saco preto (quase de mortos).

Um beijo tido como proscrito, errado, feio. Sou professor de professores e militante. Entende que a LGBT de muitos pais é tentativa de proteger seus filhos. “Isso aí” (ser LGBT) é duro, todos sabem. E como diz o ignóbil que senta na cadeira de presidente e muitos acreditam uns tapas podem mudar isso. Os LGBTs são acusados de “ideologia de gênero”, como se fosse possível, vendo fotos, debatendo o tema, mudar a orientação sexual/identidade de gênero de alguém.

Fosse assim, eu que crescei vendo novelas e filmes, seria o mais hétero de todos, não sou. Mas levei 20 anos, lavei-me com álcool, fui expulso de casa aos 17 anos, mudei de estado aos 20, tudo pela difícil trilha da vergonha ao orgulho.

Reprodução

Ser LGBT é muito mais do que sexo, é uma identidade. Muitos pais percebem aos 5 anos. Os fundamentalistas lutam por uma escola de ódio, que não defenda a diversidade, não fale de racismo, não fale de gênero nem para as meninas.

A consequência é sermos o pais da américa latina que mais cresce em infecção de HIV na américa latina. Todo ano nascem 430 mil bebês nascem de mães adolescentes no país. Mas o que move nossos parlamentares é proibir uma revista onde 2 heróis, do mesmo sexo, se amam e querem se casar

O mundo mudou, em 10 anos conquistamos a união civil, que o CNJ transformou em casamento, garantindo ser família, o STF nos permitiu adotar filhos, depois a retificação de nome social para pessoas trans sem obrigar a dura cirurgia, em seguida a grande vitória: LGBTFOBIA tornou-se crime, imprescritível e inafiançável, garantimos ainda o nome social nas escolas e este ano gays, bissexuais, mulheres trans e travestis garantiram o direito de doar sangue.

Novela teen da maior emissora tem ator bi, fazendo papel gay, temos Pabllo Vittar, Pepita e muitos outros ícones para nossos jovens. Esse é o papel da cultura. Aquele jovem, da cidade pequena, que se acha sozinho, estranho, diferente, excluído, enfim, tudo que vem junto com a palavra viado, vai ver dois heróis gays se casando, uma cantora drag fazendo muito sucesso, ativistas lgbts mudando o Brasil.

Reprodução

É de assustar, que no meio dessa pandemia, mais de 160 mil mortos, alguns parlamentares se reúnam para tirar, dos jovens LGBTs, o direito de se ver, de ter orgulho, de saberem que existem, de entender o que são.

Estive em muitas dessas lutas, inclusive de construir via UNESCO a base nacional comum curricular, sugiro aos que acham que escola é só matemática que leiam as competências 7,8 e 9 que versam sobre DH, reconhecer suas emoções e da valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sexuais. Sim, é lei. É papel da escola enfrentar a LGBTQfobia.

Por decisão unânime, o STF julgou inconstitucional lei municipal de Novo Gama/GO que proibia debate sobre identidade de gênero nas escolas. Essa é a luta, a cultura do progresso e a educação do futuro. Importante para todos. O nome disso é civilização.

This article is also available in: Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.