O remake de Resident Evil 3 foi lançado no último dia 3 de abril, sendo um dos games mais aguardados da geração ao lado de outro remake: Final Fantasy VII. Um jogo de sucesso geralmente conta com uma infinidade de modificações, conhecidas na web como mods, feitas pelos próprios jogadores.

Recentemente, passou a circular na web um mod do personagem Carlos sendo jogável nu, ficando bem realista e com um corpo que parece ter sido bem trabalhado na academia. O mod repercutiu positivamente no Twitter.

RESIDENT EVIL 3 REMAKE

Após o grande sucesso do remake de Resident Evil 2, a Capcom resolveu trabalhar também em sua continuação, atendendo aos anseios dos fãs do game original.

Apesar de render sucesso comercial, o jogo dividiu a opinião do público e da mídia, e o consenso é de que o remake de Resident Evil 3 não é tão forte quanto o do 2, com muitos conteúdos do jogo original cortados. Isso resulta em um jogo aparentemente apressado e com curta duração. Apesar das críticas quanto sua longevidade, muitos elogiaram a aventura enquanto ela durava, dizendo se tratar uma experiência muito divertida.

Já o jogo original foi lançado em 1999 para o primeiro PlayStation, sendo elogiado por sistema de escolhas que mudava o destino da protagonista, além de ter gráficos consideravelmente superiores aos dois jogos anteriores. Além disso, este se passa na área externa de Raccon City, e não dentro de prédios, e por isso há cenários mais variados quando comparado aos dois primeiros. Outro ponto de elogio foi o game ser mais focado na ação e menos no terror, com mais momentos onde a “adrenalina” fala mais alto.

O jogo recebeu conversões para diversos consoles da época, incluindo o Dreamcast, GameCube e também foi lançado para computadores. O game recebeu notas entre 8 e 10 das principais revistas de videogames.

Venda de bonecos sexuais realísticos dispara durante isolamento social

Buscas por Final Fantasy no Pornhub aumentaram 7631%

Da caricatura à normalização: conheça a história dos LGBTs nos games

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".