Vencendo na categoria “Tem Local”, a cidade de São Francisco recebeu 48% dos votos como o destino turístico que as pocs brasileiras mais amam, vencendo a Argentina (23%), Alemanha (15%) e Curação (14%).

Segundo a iniciativa “I Am San Francisco and You Are Always Welcome” (Eu sou São Francisco e você é sempre bem-vindo, em tradução livre) feita pela Associação de Viagens San Francisco Travel, a diversidade é predominante por lá, com grande parte de seu povo sendo formada por homens gays solteiros.

A ideia é  mostrar que o é ideal para aqueles que não querem se sentir discriminados e nem terem medo de ser quem são.

A cidade tem uma área de apenas 18 por 18km², sendo possível conferir todos os bares gays em uma noite só. Entre os destinos mais comuns frequentados pela comunidade, segundo a própria SFTravel estão:

The Cinch (1723 Polk St), um dos mais tradicionais da cidade que existe desde 1970; El Rio (3158 Mission St), especialmente destinado às lésbicas; The Lookout (3600 16th St), conhecido pelos festeiros sexys e com um deque amplo ao ar livre; QBar (456 Castro St), com diversas programações destinadas aos LGBTs todos os dias da semana e o Aunt Charlie Lounge (133 Turk St.), sendo conhecido por suas bebidas fortes e shows “lendários” de drag queens.

Por lá também há o museu GLBT History Museum, expondo toda a história gay de São Francisco e a balada The Cafe, que conta com programações distintas dependendo do dia da semana.

A Parada LGBT de São Francisco é uma das mais tradicionais e antigas do mundo (Foto: Reprodução)
A Parada LGBT de São Francisco é uma das mais tradicionais e antigas do mundo (Foto: Reprodução)

POR SÃO FRANCISCO É TÃO LGBT FRIENDLY?

Desde o século XIX, quando descobriram que havia ouro no local onde hoje é São Francisco, houve um crescimento da população vindo de diversas partes do mundo, sendo que a estimativa é que em 1850, cerca de 95% da população local eram de homens jovens.

Por esse desequilíbrio de gênero na população, os homens já assumiam papeis que socialmente eram designados às mulhere. Ao longo dos anos começaram a surgir os primeiros shows de cross-dressers e os bares e casas noturnas destinados aos homossexuais, geralmente de forma clandestina. O primeiro bar gay notório veio em 1908 e se chama The Dash.

Durante a 1ª Guerra Mundial, aqueles que eram suspeitos ou confirmados como homossexuais eram deixados nas cidades com porto, ajudando a crescer a comunidade gay de São Francisco. Já na 2ª Guerra Mundial, todo militar americano que tinha sua orientação sexual questionada era encaminhado diretamente para São Francisco , onde seu futuro era avaliado pelos militares.

Entre 1941 e 1945, cerca de 10.000 homens e mulheres homossexuais foram dispensados do exército americano e boa parte dessa população acabou ficando pela cidade, sendo os “alicerces” para que no futuro a cidade fosse conhecida como “capital gay” dos EUA.

Ao longo dos anos, a cidade foi pioneira em muitas conquistas relacionada ao público LGBT. A primeira organização de direito das lésbicas nos Estados Unidos, Daughter Bilitis; o primeiro gay a concorrer a cargo público: José Sarria; o primeiro homem abertamente gay a ser eleito para um cargo público: Harvey Milk, e também um dos primeiros locais a ter a Parada Gay, se originando em 1972 e tendo todos os anos até os dias de hoje.

Os vencedores do POC AWARDS 2019!

POC AWARDS 2019

Confira os vencedores do POC AWARDS (alternativamente, veja a lista na revista Exame ou no Terra).

Prêmio do Júri – POC AWARDS 2019

POC DO ANO: Tarcis Duarte
ARTIVISTA DO ANO:Renata Carvalho
BOY MAGIA: Wanrley Cardoso, para 48 horas
QUE HINO: “Proibido o Carnaval” – Daniela Mercury e Caetano Veloso
MÚSICO POC BRASILEIRO: Renato Enoch, por “Recortes {b}”
PEGUE MEU DINHEIRO (publicidade):Shell – “De Causo em Causo”
UNICÓRNIO (startup): Jow Centro Automotivo
ATIVO 19 (iniciativa): Coordenação de Políticas para LGBTI da Prefeitura de SP

Menções Honrosas – POC AWARDS 2019

MANDA VÍDEO: Inritado, por Porta dos Fundos
GRANDE DIA: Criminalização da homotransfobia
ELAS QUE LUTAM (ativismo): Fábio Felix

Prêmio do Público – POC AWARDS 2019

POC DO ANO: Jesuíta Barbosa
CANCELAMENTO: “É a união de dois caras”
FANFIC (o pior enredo de ficção):Damares com “Frozer”
THE BOSH: Titi Müller com “a galera tá pedindo Anitta demais”
MELHOR AÇÃO PUBLICITÁRIA: Crivella promovendo a literatura LGBT+
GRANDE DIA:Radialista Luiz Gama demitido após comentário homofóbico
TEM LOCAL (turismo): San Francisco, promovido por SFTravel
O AUGE: Pabllo Vittar dando bronca nas colocadas em Salvador
ARTIVISTA: Laerte
BOY MAGIA:Max Souza, Mister Lins 2019
QUE HINO AmarElo” – Emicida, Majur e Pabllo Vittar
CHACOTA DO ANO: Eu mereci
MANDA VÍDEO (cinema): Bixa Travesty, por Linn da Quebrada, Kiko Goifman e Claudia Priscilla
MÚSICO POC BRASILEIRO: Jão
PEGUE MEU DINHEIRO (campanha):Governo da Bahia – “Aqui é Bahia, aqui é respeito”
INSULTO DO ANO: Cidadão de bem
UNICÓRNO (startup): Bicha da Justiça
ELAS QUE LUTAM (ativismo): David Miranda
ARTISTA DO ANO: Tabatha Aquino cantando Gloria Groove no metrô
ATIVO 19 (iniciativa do ano): Felipe Neto
CONTATINHO (plataforma de relacionamento): Grindr
AVANT GARDE (empreendedorismo): Suruba Beneficente, de Dedalos Bar
PERSONALIDADE DA MÍDIA:Kaíque Brito
KIT GAY (a maior ameaça que converte héteros em gay): Rodrigo Hilbert

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".